segunda-feira, 30 de abril de 2012

O soneto de amor (Soneto III)




III

Amei-te, porque sabes ter o amado;
esse arrebol, para que lamba os lábios
nos teus desejos sensuais e sábios,
toca os meus beijos no prazer picado.

Meu amor, és meu corpo do pecado
esse poema que me sente tanto,
amo-te tanto, pelo doce encanto
ias falá-lo docemente ao lado...

Amo-te, sem ser prosador vital
sim o mancebo da paixão carnal;
quero-te, pela carne amante e louca.

Em que se lembra, meu amor, sem choro!
Para tocar os corações do soro...
Sinto-te, implora a sedução da boca.


Lucas Munhoz (Poeta rapaz) 

CANTANDO O AMOR



É belo o amor sublime do meu sonho 
que em minha vida já se fez real. 
Não há razão para viver tristonho, 
se estás comigo eu venço o vendaval. 

O céu está mais lindo e mais risonho, 
saudando a nossa paz transcendental. 
O tempo passará, mas - pressuponho, 
nosso amor subirá ao pedestal. 

Viver este momento tão singelo 
sempre foi meu desejo e meu anelo 
sentindo o teu carinho e teu calor. 

Querer-te assim numa expressão sincera, 
Verão, Outono, Inverno ou Primavera, 
hei de te amar com todo o meu amor.


Filemon F. Martins


domingo, 29 de abril de 2012

Bicampeão...


DESEJO



Sinto tua alma agitando o meu ser.
Uma tarde calma, cai descortinando
O meu peito. Um imenso vazio, tentando
Decifrar uma incógnita no ar.

Tuas mãos parecem mágicas! Quando
Tentam descobrir em mim, esse silêncio
Absorvido em você, como se possível fosse
Me obter nesse momento mágico.

Amarga ilusão! Quando me arrastam as horas
Nesse marasmo de inebriantes recordações,
Quando minh'alma encandecida
Se agita a esse estupido desejo.

Queria morrer, antes esse deslize que
Me inflama por dentro, como se me tomasse
Por inteira, se derramando em mim
Como o néctar da vida, alimentando o meu amor.


Maria Aranilda de Araújo

O BEIJO



Eu sempre peço em preces
E por Deus vivo a implorar
Que sua boca seja só minha
E que nunca eu veja outra beijar

Quando eu beijar-te a boca
Não quero ser convencida 
Mas sei que vai lembrar de mim
Até o fim da tua vida

Quero tirar-te a camisa 
Abrindo botão por botão
Beijar teu peito levemente
Induzindo-te a tentação

Esta boca que eu nunca beijei 
E nem sei que gosto tem
Mas um dia vou descobrir
Se você sabe beijar bem

Oferto minha alma por teu beijo
Ser tua é o que eu sempre quis
E se eu morrer sem beijar-te a boca
Nem mesmo no céu eu serei feliz

Os meus beijos são ardentes
E quero teus beijos provar
Mesmo que seja impossível 
Eu ainda irei te beijar


Sônia Lopes

sábado, 28 de abril de 2012

AMO EM SILÊNCIO



                                                                         Como eu queria
Conseguir guardar meus segredos
Amar em silêncio
Assim não seria eu
Grito aos quatro cantos do mundo
O meu amor por ti
A paixão que levo no peito
A loucura de querer seus beijos
O abraço que me prometeste
Peça-me tudo...menos
Que te ame em segredo!!!
Silêncio não combina comigo
Preciso falar, gritar, extravasar
A intensidade e o desejo
Só penso em te ver sorrir
Deixo o amor acontecer
Nas certezas das incertezas
Minha única e exclusiva paixão
Eu sou seu amor verdadeiro
Você é a dose diária dos meus sorrisos
As palavras estão sendo poucas
Para expressar o quanto te preciso....




         Franciane Monteiro


COMANDOS DO CORAÇÃO



Entre o coração e a razão,
a razão, perde a parada
para uma alma apaixonada...
É impossivel comandar o coração...
Quando amamos de verdade,
amamos querendo a felicidade...
E se amamos à bessa,
nem interessa
saber se será possivel ou não...
Apenas obedecemos ao coração...
E seguimos as regras do amor,
vivendo-o seja como for...
Nunca esquecendo que cultivando a amizade,
é mais fácil chegar à felicidade,
sem muito sofrer com a saudade...

Marcial Salaverry


sexta-feira, 27 de abril de 2012

Ausência e Distância



Ah
Como é triste a ausência
Como é penosa a distância
Como é cruel o tempo
Que separam minh'alma da tua
Que afastam meus ouvidos de tua boca,
De tuas palavras...

Ah
Como é angustiante desejar ver-te
E não poder
Como é duro querer estar contigo
E não conseguir
Como é difícil sonhar contigo,
Em ter-te e não te ter

Ah
Como é ruim pensar em ti
Como é complicado suportar a idéia
De que estás apenas dentro do meu coração
Mas, longe dos meus abraços
Como é doloroso sentir-te aqui esta noite
Apenas quando fecho os olhos...


( Autor desconhecido )

Almas Gêmeas



Um dia, no silêncio da rede,
minha alma encontrou outra,
que divagava, quem sabe
à procura da minha...
só sei que, em pouco tempo,
nossas almas se reconheceram
e descobriram que nunca mais
poderiam se separar...

Pois uma havia sido enviada
à outra como um presente
Um presente divino
Que Deus, em sua infinita
bondade, nos enviou

Posso falar com toda certeza,
que uma alma não vive sem a outra,
são almas irmãs, irmãs de alma,
irmãs de coração , irmãs de LUZ...
Almas gêmeas que tiveram
a felicidade de se encontrar
e se reconhecer...

Te amo, minha alma gêmea,
você é, com certeza o Ser Especial
que ilumina minha vida....


( Autor desconhecido )

quinta-feira, 26 de abril de 2012

DESEJOS INSANOS



Entre beijos e acordes de violão
Sonho com luzes em matizes de neon
Inalo perfume misturado ao teu cheiro
Inebria-me os sentidos e quero-te por inteiro
Em meio a telas de Van Gogh e Valsas de Straus
Sacio-me em tua boca ávida de desejos
Por sobre almofadas jogadas ao chão
As mãos sedutoras afagam-me os seios
Deslizam-me o corpo, retém meus anseios
Invade-me as vestes, desnuda-me o corpo
Desejos insanos que deixam-nos loucos
Corpos colados no gosto do tato
Fazemos amor em frente ao espelho
Em brancos lençois de seda 
Na cama do nosso quarto


Claudete Silveira

O soneto de amor



Amor és meu, porque te quero o amor;
te amo, por isso és um amor em mim
te amo, essa chave sem cinismo, assim
Esse tesouro, porque vive a dor!

Meu coração, já vens o meu palor!
Fechou-te o peito no meu fundo, e o fim;
te amo, esse som do coração, clarim!
O coração és meu, o doce ardor.

Te quero tanto olhar, o doce olhar
para que sinta o meu lirismo, em vaga...
Na maior carne do lirismo andar.

Sem choro, amor, esse licor ardente
eu te amo, a carne deleitosa em plaga
te quero, pelo coração fulgente.


 Lucas Munhoz (Poeta rapaz)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

AMOR IMORTAL



No esplendor de sua alegria 
Amortizei minha tristeza
Na brandura de seu carinho
Enterrei minha solidão
No contágio de seu sorriso
Abafei meu choro
Na grandeza de sua força interior
Sufoquei minha fraqueza 
Na saudade de sua presença
Enterrei minha falta de coragem 
De falar da falta que você me faz
Na confiança de sua esperança 
Acreditei na realização de meus sonhos
Na certeza de seu bem querer
Imortalizei meu amor por você

Nadja Ramalho.

Eu quero Alguém.



Quero alguém que fale pouco
mas com o seu silêncio possa dizer muito.
Quero alguém que não me faça promessas
mas com pequenos gestos demonstre o seu amor.

Não quero alguém que enxugue as minhas lágrimas
mas, sim, alguém que não me faça chorar.
Não quero alguém que me faça cobranças
mas alguém que me compreenda.

Não quero alguém que aponte os meus defeitos
mas alguém que tenha a sensibilidade
de enxergar as minhas qualidades.
Não quero alguém que faça criticas
mas alguém que me aceite do jeito que sou.

Não quero alguém vazio, superficial e
que viva de aparências
e que faça promessas que não serão realizadas.
Não quero alguém que viva de fantasias.

Só quero alguém que me ame...
E se deixe ser amado!
Só quero alguém que goste
de viver a vida de forma simples,
recheada com muito amor e carinho e,
acima de tudo, com muita sinceridade e respeito.
Quero alguém que, assim como eu,
acredite no amor verdadeiro!


( Autor desconhecido )

terça-feira, 24 de abril de 2012

Tão Louco Amor



Tenho um amor, um grande amor
Guardado em meu ser
É um amor tão louco amor,
Louco para te conhecer.
Tenho tanta inspiração
Guardada em meu ser
São tantos versos e poesias
Que escrevo para você.
Meu amor, meu doce amor
Aonde está você?
Te procuro em meus escritos
Mas nem sei quem é você.
Amor será que existes?
Ou será alucinação?
Caminho agustiantemente,
Pelas ruas da interrogação.

Renata Siqueira

Simplesmente amor



Para você  me fiz, catita,
me arrumei e me enfeitei,
e na cartinha que levei,
tinha até um laço de fita,
presa com flor tão bonita,
que até meu cheiro, cheirava.
Foi quando então lhe vi,
descendo pela longa escada,
como se fosse um templário,
que escrevi no meu diário,
guardado como um santuário,
para todo o meu infinito,
pois até hoje não acredito,
que aquele homem tão bonito,
pelo qual me apaixonei,
que me fez ser Julieta,
lhe chamando de Romeu,
matou todos os meus sonhos,
porque nunca compreendeu,
o meu amor, que era seu...........

April

segunda-feira, 23 de abril de 2012

A BARACA DO AMOR



Vai então começar a fuzarca
Eu preciso atravessar de barca
Esse teu olhar feiticeiro
Porque você marca os meus paços
Porem foge dos meus abraços
E se joga na lábia do primeiro

Que te oferece uma carona
Depois do bem bom me abandona
E nem atende ao celular
Joga água em meu pavio
Me deixa a ver navios

Pra daí dois dias voltar
E aos meus pés ajoelhar
Pedindo perdão com ardor
O meu coração se inflama
E você jura que me ama
E de novo reascende o nosso amor!


Vainer de Ávila

Amar-te fortemente...



(...) momentos de nostalgia
numa ansiedade descabida;
fragiliza a fortaleza numa
fúria ensandecida;
pensamento elegante no
no jeito de ser,
naturalmente atrapalhado;
dúvidas gigantes fazendo
pausa com a madrugada,
desolada de saudade;
roda gigante na contramão,
contratempo e contradição;
linhas e entrelinhas,
tecendo e colorindo sonhos;
abrindo caminhos,
descobrindo espinhos,
reinventando o amor,
revolucinando a dor,
reescrevendo acertos
no próprio direito de
amar-te na arte de pensar,
repensar e continuar
te amando fortemente.


Marisa de Medeiros

domingo, 22 de abril de 2012

A carta do amor



Meu amor,

O amor, guarda o meu coração eterno;
Esses olhos amáveis, meus amores...
Eis que me encanta, pelo encanto terno
Lúcida, louca e sensual, sem dores.
- Doce e madura, que me beije os versos!
Do meu porvir, como os lirismos vagos
O amor, que esquece os corações dispersos;
Vamos juntar ao peito, em doces lagos.
No rio, lambe o meu calor silente,
Meu doce amor, a musa amada e bela...
Sensualmente, minha musa ardente!
Dos lados quentes, a fusão que gela.
Madura, forte e perfumosa, em lira
Como a flor, pois talha a beleza viva
Os doces seios, que a volúpia inspira
No corpo ardente, que seduz e ativa.
Ó meu amor! Ó minha musa! Ó peito!
Eis o carinho do prazer, querida
Vejo o teu beijo, pelo doce leito
Que toca o corpo, e a minha vaga ardida.
Como a delícia do calor, que toca
Do albor que mata o meu prazer sem pejo,
Ó meu desejo! Que me beije a boca!
Ainda te amo, e te amo, em forte beijo!

Lucas Munhoz (Poeta rapaz)